Pular para o conteúdo
Voltar

De pau a pique a concreto, Catedral do Senhor de Bom Jesus é símbolo de transformação

A igreja guarda memórias que levaram a metrópole tricentenária a se tornar a Cuiabá que todos conhecem na atualidade.
Hudson Costa/Supervisão Nayara Takahara | Seplag

Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus - Foto por: Secom/MT - Rafaella Zanol
Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus
A | A

Situada às margens do rio que dá nome a cidade, a tricentenária capital de Mato Grosso tem entre a sua gente um povo repleto de histórias, devoção e fé. A sede do catolicismo está localizada bem no centro histórico do município.

Ao longo de 300 anos, a Catedral de Cuiabá passou por diversas transformações.  Tudo começou em 1722, quando bandeirantes ordenados pelo fundador da Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá, Pascoal Moreira Cabral, saíram em busca de frutas, mel silvestre e outros insumos para levar ao grupo que estava fixado às margens do rio Coxipó. Por sorte ou acaso, o grupo que buscava apenas saciar a sua fome foi responsável pela descoberta de uma grande quantidade de ouro.

Com a força da igreja católica e o consenso popular de que em território da igreja ninguém poderia mexer, os expedicionistas iniciaram a edificação de uma simples capela, com paredes feitas de taipa de pilão e cobertas com folhas de palha. Em uma das bandeiras, a imagem de um santo foi trazida por famílias da vila de Sorocaba, hoje cidade do Estado de São Paulo. A imagem do Bom Jesus foi levada a nova igreja que acabou recebendo o nome do santo.

Frequentada pela elite cuiabana, segundo a historiadora Leila Borges de Lacerda, a igreja passou por novas modificações. Em 1771, a simples capela de pau a pique recebeu novos contornos com a construção de uma torre no estilo colonial e fachada semelhante à da atual Igreja do Rosário. A criação da igreja se misturou ao crescimento de Cuiabá.

A historiadora Leila Borges Lacerda explica que as mudanças na Igreja Matriz se entrelaçam com a própria história de Cuiabá

Santo fujão

Os sequestros da imagem do Bom Jesus de Cuiabá deram origem a muitas novenas por parte do devoto povo cuiabano. Para alguns historiadores seus três sumiços tiveram relevante significado para a edificação da segunda fachada da Igreja Matriz. O povo devoto a Bom Jesus fez uma promessa: caso o santo fosse encontrado e recuperado, a igreja que o abriga seria condizente com sua grandeza.

Em uma tapera, na região que hoje situa a cidade de Camapuã, no Estado de Mato Grosso Sul, o santo fujão foi resgatado por um grupo de desbravadores a procura de ouro. Escoltado por uma guarnição de 40 homens, a imagem do Bom Jesus de Cuiabá subiu rio acima e retornou para o contentamento de seus fiéis.

Em festa, ao som de cânticos e fogos, o povo cuiabano comemorou o regresso do padroeiro da cidade em procissão da zona portuária até a igreja, relata o historiador e padre da Arquidiocese de Cuiabá, Felisberto Samoel da Cruz.

O Padre e historiador da Arquidiocese de Cuiabá, Felisberto Samoel da Cruz, narra momentos peculiares 

De acordo com os registros históricos, em 1922 o governador de Mato Grosso, Mário Correia da Costa, promoveu grandes mudanças na cidade. Entre elas, a modificação no estilo do antigo Largo da Matriz, que hoje é a Praça da República, e no seu entorno que receberam esculturas angelicais e nova jardinagem.

Para Leila de Lacerda, o prédio da Catedral foi considerado por muitos como antiquado, não condizente com a beleza da obra executada pelo governador Correia da Costa. Foi por esse motivo que, em 1929, a segunda torre foi erguida dando ares mais imponentes à construção.

“A alteração feita era de um estilo completamente diferente da Catedral colonial. Houve uma certa pressão pela urbanização desse espaço porque mexeu no jardim, fez toda a balaustrada do Palácio [da Instrução], do Tesouro do Estado, urbanizou-se todo esse pedaço e a Catedral ficou acanhada”, afirma Leila.

A demolição

Com a substituição do Bispo Dom Aquino pelo Bispo Dom Orlando Chaves, em 1956, ideais modernistas defendidos pelo novo Bispo e por parte da população voltaram à tona. Utilizando como justificativa a possível queda da Catedral a qualquer momento, Dom Orlando Chaves tomou a decisão de mandar demolir a Catedral Bom Jesus de Cuiabá. A demolição ocorreu no ano de 1968.

“Foram dinamitadas a parte da frente e dos fundos por serem as partes mais fortes. As laterais eram feitas de adobe e quando foi retirado o gancho toda a estrutura foi ao chão”, conta o padre Felisberto.

De pau a pique a concreto

Alguns anos mais tarde, com contornos mais modernos e com seu famoso mosaico do Bom Jesus de Cuiabá e suas imponentes torres já erguidas, com um relógio em cada, a obra da Catedral de Cuiabá foi concluída sendo reinaugurada em 1973.

“A capela que recebeu o nome do Bom Jesus do Cuiabá, assim chamada na época, agrega a sua volta toda a sedimentação de poder tanto metropolitano como municipalista. E com o passar dos anos ela se expande, ela cresce”, salienta a historiadora Leila Lacerda.

A igreja que tem o título de Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus tem uma representatividade muito grande para Cuiabá e seu povo. Uma das maiores celebrações religiosas, a procissão em homenagem ao Divino Espírito Santo, tem seu início nas portas da Catedral.

Localizada no mesmo ponto desde a sua primeira construção, a Catedral por diversas vezes foi o motivo e a representatividade para muitas das transformações vividas pela Cidade verde. De pau a pique a sua edificação de concreto, a igreja guarda memórias que levaram a metrópole tricentenária a se tornar a Cuiabá que todos conhecem, e que há tempos vem sendo abençoada por Bom Jesus a cada pôr do sol.

 







Editorias